Pesquisar

Newsletter


 


 
Faixa publicitária

Liturgia

Faixa publicitária

Deus amou tanto o mundo que entregou o Seu Filho, para que todo aquele que acredita n’Ele não morra.

Aproximamo-nos rapidamente da celebração anual da Páscoa, conduzidos pela alegria profunda de nos sabermos amados por Deus. Por isso, neste Domingo Laetare, a antífona de entrada convida-nos a participar na alegria do povo resgatado: “Alegra-te, Jerusalém; rejubilai todos os seus amigos. Exultai de alegria, todos vós que participastes no seu luto e podereis beber e saciar-vos na abundância das suas consolações”.

 

 

A Quaresma é um itinerário fecundo porque nos convida a procurar as consolações de Deus, as únicas que permanecem, e não as consolações passageiras do mundo. É um desafio grande porque as seduções do mundo, para além da espectacularidade e do fascínio, falam mais alto e estão mesmo à mão, parece que foram feitas à minha medida.

Porquê acolher então o projecto de Deus, mais árduo e subtil, e não aquilo que simplesmente me dá prazer e me conduz à alienação de uma felicidade, que embora estéril, porque não permanece nem dá frutos, me satisfaz? Porque tudo o que vem de Deus é gratuito e permanece selado com o Amor de Deus. Como escutámos hoje no Evangelho, é Deus que toma a iniciativa de enviar o Seu Filho unigénito. É Deus que nos ama primeiro e nos oferece a redenção pelo Mistério Pascal. E tudo gratuitamente! Deus não reclama a conta! Quando nos deixamos conduzir pelo hedonismo ou pelas outras seduções do mundo, mais cedo ou mais tarde, a conta baterá à nossa porta e muitas vezes com juros altíssimos que nos chegam a tirar a vida. A felicidade que não nasce de Deus é bem diferente - permanece e é gratuita.

Como poderei então usufruir dessa felicidade que só Deus pode dar? Acreditando no Seu Filho Unigénito. Acreditar em Jesus significa confiar-lhe a existência, estender-me na Sua Cruz, viver n’Ele, com Ele e por Ele e tudo o mais virá por acréscimo. Peçamos a Jesus, que veio dar vida ao que estava morto, que nesta Páscoa nos dê o dom da Fé para podermos fazer a experiência da verdadeira felicidade e da vida eterna.