Pesquisar

Newsletter


 


 
Faixa publicitária

Liturgia

Faixa publicitária

Jesus esteve no deserto, conduzido pelo Espírito, e foi tentado pelo Diabo.

Iniciámos na Quarta-feira de Cinzas o tempo quaresmal e durante estes quarenta dias seremos conduzidos ao deserto, tal como Jesus, para nos deixarmos encontrar por Deus. Estamos a caminho da Páscoa e por isso a Igreja Mãe prepara-nos o caminho para acolhermos o triunfo da Vida com um coração renovado e purificado.

Jesus permaneceu no deserto quarenta dias, conduzido pelo Espírito Santo. As tentações de Jesus no deserto não constituem um acontecimento isolado na sua vida e ministério - são o início de uma luta contra o Diabo que se prolongará até à sua morte em Jerusalém. No Evangelho que hoje escutamos, Jesus escolhe confiar-se a Deus, como uma decisão que não deixa dúvidas, uma decisão definitiva e vital. Jesus é tentado na sua relação com o Pai; mas o seu coração está permanentemente voltado para o Pai do Céu e por isso abandona-se totalmente nas suas mãos, deixa que seja o Espírito Santo a conduzi-l’O, numa oração que faz do relacionamento com o Pai o seu tudo e da Palavra a sua Luz e alimento.

A Quaresma é o tempo propício para nos aproximarmos de Deus e da sua vontade, para procurarmos o Seu rosto, na oração mais intensa e fecunda, na escuta da Palavra que nos alimenta, no desprendimento de tudo aquilo que nos carrega e nos distrai do essencial. Alimentados pelo próprio Deus, a proposta deste itinerário é voltarmo-nos para o Pai, como Jesus, e resistir às tentações que nos proporcionam estados de felicidade efémeros e mentirosos, porque afastados do caminho do Senhor.

Peçamos a Deus a sabedoria para percorrer este caminho até à Páscoa, tomemos as armas que nos oferece a Santa Igreja (oração, esmola e jejum) e preparemo-nos para celebrar a alegria da ressurreição, conscientes da luta mas animados pela esperança da misericórdia do Senhor que vem até nós.